“Um dos meios que a experiência me ensinou como o meio mais poderoso para o bem é a imprensa, assim como é a arma mais poderosa para o mal quando se abusa dela”. (Aut 310)


SER HOJE LUZ DO MUNDO

Na época de Claret teve um grande auge a imprensa na Espanha; o século XIX possibilitou que o povo deixasse de ser analfabeto e tivesse acesso à leitura. Era uma destas épocas de “umbral”, isto é, quando se transpõe um limite e se passa a um nível superior. Neste caso, era a superação do umbral daquilo que mantinha o povo em uma séria limitação cultural.

Em todas estas conjunturas aparecem no mapa da realidade algumas pessoas e grupos que se preocupam com o acompanhamento dos processos de crescimento e favorecem os mais débeis. Ao mesmo tempo, estão aqueles que especulam e buscam tirar benefícios a custas das necessidades do povo; sonhando somente com fazer negócio e enriquecer-se, investigam aqueles meios que tenham conexão com os desejos mais básicos do ser humano e os satisfazem.

Nossa tarefa e desejo fundamental deverá ser sempre gerar possibilidades para que algo que emerja seja sempre em benefício de todos e que se ofereça como um veículo adequado para anunciar a Boa Nova que Jesus nos trouxe.

No caso da imprensa, o Padre Claret fez um trabalho admirável, pois conseguiu publicar mais de 120 obras, fundou uma editora “Livraria Religiosa” e apostou, sobretudo, na divulgação da mensagem da fé em uma chave nitidamente popular. A abordagem deste meio para a evangelização demonstrou seu grande sentido de oportunidade para encontrar meios de anúncio da Palavra.

Qual é sua atitude diante da leitura? Absorvem seu tempo outros meios de comunicação mais passivos? Em que medida você se conecta com boas leituras para seu crescimento pessoal e para o serviço apostólico?